Estado de Alagoas

Ir para o conteúdo. | Ir para a navegação

» Página Inicial Sala de Imprensa Notícias 2020 Agosto ABAR lança diretrizes regulatórias em tempos de pandemia
06/08/2020 - 15h46m

ABAR lança diretrizes regulatórias em tempos de pandemia

ABAR lança diretrizes regulatórias em tempos de pandemia

Em compreensão à complexidade do momento, a Associação Brasileira de Agências de Regulação – ABAR, no cumprimento de sua missão de promover a colaboração e a busca pelo aprimoramento e consolidação da atividade regulatória em todo Brasil, apresenta este documento com 20 diretrizes para orientar as difíceis discussões que serão imprescindíveis para o reequilíbrio do setor de saneamento diante desta pandemia, buscando os avanços necessários no sentido da universalização dos serviços de abastecimento de água e esgotamento sanitário.

 

O contexto

A crise mundial provocada pela COVID-19 ressaltou ainda mais a importância do fornecimento de água potável, direito humano fundamental, e da provisão de condições de saneamento adequadas, uma vez que são fatores essenciais para a segurança e proteção da saúde da população. A própria Organização Mundial da Saúde (OMS) afirma que a lavagem de mãos é a forma mais eficaz de prevenir a propagação da COVID-19.

 

A essencialidade dos serviços de saneamento básico no enfrentamento da pandemia da COVID-19, destacando aqui os de abastecimento de água e esgotamento sanitário, remete ao aumento da responsabilidade das instituições que atuam nessas áreas. A situação evidenciou também a importância da universalização desses serviços, pois, hoje, apenas 83,6% dos brasileiros são atendidos com abastecimento de água tratada, 53,2% têm acesso à coleta de esgoto e 46,3% desse esgoto é tratado (SNIS, 2018).

 

Em cenário de crise de saúde, isolamento social e forte impacto nas atividades econômicas, as prestadoras de serviços de água e esgoto, assim como os demais setores, teriam, naturalmente, impactos em sua operação e em sua receita. Por se tratarem de serviços essenciais e muitas vezes insubstituíveis, a demanda de usuários residenciais não é fortemente afetada, tendendo a aumentar com o distanciamento social. Entretanto, a diminuição das atividades comerciais e industriais pode resultar significativa redução de receita das prestadoras desses serviços, como também se verifica em outros setores econômicos.

 

Além disso, com o objetivo legítimo de proteger os mais vulneráveis, mas, por vezes, sem os devidos cuidados em relação aos impactos regulatórios e sem a devida articulação com as Agências Reguladoras, diferentes atores do poder público impuseram ainda mais responsabilidades às prestadoras de serviço de água e esgoto, potencializando os riscos ao adequado funcionamento e à sustentabilidade do setor.

 

Entre as determinações mais comuns estão: (i) a proibição de interrupção no fornecimento de água, mesmo em situações de inadimplência; (ii) a gratuidade do serviço para os usuários beneficiários da tarifa social; (iii) o abastecimento, mesmo que de forma alternativa, às populações que ainda não têm acesso aos serviços; (iv) a proibição de cobrança de multas e juros sobre contas que não forem pagas; (v) a postergação/diferimento de reajustes e revisões tarifárias; e (vi) a obrigatoriedade de utilização de equipamentos de proteção individual (EPIs) específicos.

 

Somando-se os impactos da pandemia àqueles gerados pelas medidas supracitadas, tem-se uma grande gama de situações que deverão ser resolvidas por meio da relação entre as Agências Reguladoras e as prestadoras de serviço. Discussões acerca do reequilíbrio econômico-financeiro do setor certamente virão à baila em razão da pandemia. Isso, em um ambiente de recessão econômica e aumento expressivo na taxa de desemprego.


Considerações Finais

Por fim, cabe destacar que as 20 ações apresentadas configuram recomendações às Agências Reguladoras do país, reforçando a necessária articulação entre Regulador, Poder Concedente, Prestadoras e Usuários, dentro de um ambiente de Governança Regulatória dotado de segurança jurídica, considerando-se as especificidades de cada prestadora e de seus respectivos contratos e/ou forma de constituição/atuação. Todas elas serão acompanhadas pela ABAR e poderão ser reavaliadas e/ou complementadas a qualquer tempo.

 

Este documento foi construído em articulação com as Agências Reguladoras associadas, considerando os direitos dos usuários, as responsabilidades do Poder Concedente e as contribuições de associações que representam as prestadoras de serviço de todo o país, como a Associação Brasileira das Concessionárias Privadas de Serviços Públicos de Água e Esgoto (ABCON), a Associação Brasileira das Empresas Estaduais de Saneamento (AESBE) e a Associação Nacional dos Serviços Municipais de Saneamento (ASSEMAE).

 

Segundo o Vice-Presidente Centro-Oeste da ABAR, Jorge Enoch Furquim Werneck Lima, o documento servirá de base para o momento atual que requer decisões assertivas. “Diante de momento tão delicado para todos, esperamos que essas recomendações regulatórias trazidas pela ABAR sirvam de base para ações e negociações entre reguladores e prestadores de serviço de água e esgoto de todo o país, buscando o melhor para a sociedade no curto, médio e longo prazo.”, afirma Jorge.

 

A ABAR se coloca à disposição para apoiar todas as Agências Reguladoras neste período e na condução da aplicação destas recomendações.

 

Para ter acesso ao documento completo, clique aqui.

Ações do documento

outubro rosa

Logomarca
Configuracoes do Tema Fabrica
null
0800

RET

 

cursos

Portal da Trnasparência

banner-newsletter-arsal.png

requerimentos-transporte.jpg

banner_lai+sic_LATERAL-A-PLONE3.jpg
banner_lai+sic_LATERAL-B-PLONE3.jpg

banner_GERAL_LATERAL_sic-plone3.jpg

169bannerdados.png